• (1978) Neuquén, Argentina.

    Tal como a incerteza da sua possibilidade, a vontade de comunicação é um assunto recorrente no trabalho de Amalia Pica. Dispositivos de comunicação como megafones, antenas, palanques e bandeiras de sinalização são motivos recorrentes que confirmam aquilo que Pica descreveu como uma vontade de ter algo a dizer, mas também como o ensejo pelo momento de descoberta da própria voz.

    1978, Neuquén, Argentina.

    Vive e trabalha em Lisboa.

    Formação

    2002-2003 Instituto Universitario Nacional del Arte, Buenos Aires, AR.

    1997-2001 Escuela Nacional de Bellas Artes P.P. (I.U.N.A.), Buenos Aires, AR.

    Residências e workshops

    2009 CEIA, Workshop de performance, Belo Horizonte, BR.

    2007 BijlmAIR, Centrum Beeldende Kunst Zuidoost (CBK Zuidoost) e Stedelijk Museum Bureau Amsterdam (SMBA), Holanda.

    2004-2005 Rijksakademie van beeldende kunsten, Amsterdão, Holanda.

    2002      TRAMA Artists cooperation and confrontation program San Miguel de Tucuman, Argentina, bolsa; workshop em cooperação artística em contextos de criação, Argentina

    Prémios:

    2012      Nomeada para o Future Generation Art Prize

    2011      Paul Hamlyn Foundation Award for Artists. Art Rotterdam, Illy Prize.

    Bolsas:

    2011      Cisneros Fontanals Art Foundation’s Grants and Commissions Program, EUA.

    2005      Ministério dos Negócios Estrangeiros, Holanda.

    2004      Bolsas UNESCO-Aschberg 2004 para Artistas programa Fundacion Antorchas, Argentina.

    Exposições individuais (seleção):

    2016 Kunstverein Freiburg, Freiburg, Alemanha. El Nuevo Museo de Arte Contemporáneo, Ciudad de Guatemala, Guatemala. Mark Foxx, Los Angeles, EUA

    2014 Switchboard, MOSTYN, Llandudno, País de Gales, Reino Unido. One Thing After Anothe, Stigter Van Doesburg, Amsterdão, Holanda. One Thing After Another, La Criée Centre d’art Contemporain, Rennes, França. A ∩ B ∩ C (Line), Van Abbemuseum, Eindhoven, Holanda

    2013 Museo Nacional De Bellas Artes, Neuquen, Argentina. Memorial for intersections, Kunsthalle Lissabon, Lisboa, Portugal. A intersection B intersection C, Museo Tamayo, Cidade do México, México. Herald ST, Londres, Reino Unido. Museum of Contemporary Art, Chicago, EUA. Low Visibility, Galerie Johann Konig, Berlim, Alemanha. Kunsthalle Lissabon, Lisboa, PT. MIT List Visual Arts Centre, Cambridge, MA, EUA.

    2012 Amalia Pica, Basis, Frankfurt, Alemanha. Art Basel Statements, Galerie Diana Stigter, Suíça. Amalia Pica, Modern Art Oxford, Oxford, Reino Unido. Amalia Pica, Chisenhale Gallery, Londres, Reino Unido. Amalia Pica and Karsten Födinger, Kunst Halle Sankt Gallen, Suíça

    2011 ‘I am Tower of Hamlets, as I am in Towers of Hamlets, just like a lot of other people are’, Chisenhale Gallery, Londres, Reino Unido. ‘Endymion’s Journey’, Marc Foxx Gallery, Los Angeles, EUA. ‘Umma Projects’, University of Michigan Museum of Art, EUA. Skor Inkijk, Amsterdão, Holanda.

    2010 ‘Alongside’ (with Leonor Antunes), Marc Foxx Gallery, Los Angeles, EUA. ‘babble, blabber, chatter, gibber, jabber, patter, prattle, rattle, yammer, yada yada yada’, Malmo Konsthall, Suécia

    2010 ‘babble, blabber, chatter, gibber, jabber, patter, prattle, rattle, yammer, yada yada yada’, Galerie Diana Stigter, Amsterdão, Holanda. ‘Alon Levin presents Arte Shows: Amalia Pica’, Klemms, Berlim, Alemanha.

    2009 ‘Some of that colour’, Onomatopee, Eindhoven, Holanda. ‘On Education’, Project Space Galerie Christina Wilson, Copenhaga, Dinamarca

    2008 ‘Sorry for the metaphor’, Artis, Den Bosch, Holanda

    2007 ’Grayscale’, BijlmAIR, Amsterdão, Holanda

    2006 ‘Si no estas tu’, PlayStation of Galerie Fons Welters, Amsterdão, Holanda

    2003 ‘Final Insomne’, INTER / medio, Cordoba, Argentina

    2002 ‘Colectivo-Colectiva’ em colaboração com Martin Cordiano, Lorraine Green e Tomas Espina, Arguibel Art Gallery, Buenos Aires, Argentina

    Exposições coletivas (seleção):

    2015 Un Nouveau festival / Expanding the Field of Play, Centre Pompidou, Paris, França. Asamble, performance on Plaza de los dos Congresos, BP.15 Performance Biennale, Buenos Aires, Argentina. Epur Si Muove: Art and Technology, a Shared Sphere, MUDAM Luxembourg, Luxemburgo. San Juan Poly/Graphic Triennial, Instituto de Cultura Puertorriqueña, San Juan, Porto Rico. Under the Same Sun: Art from Latin America Today, Museo Jumex, Cidade do México, México (itinerância do Guggenheim). Do it, com curadoria de Hans Ulrich Obrist, Kunsthal Rotterdam, Roterdão, Holanda. Adventures of the Black Square, Whitechapel Gallery, Londres, Reino Unido. Display Show, com curadoria de Celine Condorelli, Eastside Projects, Birmingham, Reino Unido, com itinerância para o Stroom den Haag, The Hague, Holanda. Vienna Biennale, MAK –Österreichisches Museum für angewandte Kunst / Gegenwartskunst, Viena, Áustria. Frieze Projects 2015: Tribute to Flux-Labyrinth (1976/2015), Frieze Nova Iorque, EUA. Beauty Codes, Fondazione Giuliani, Roma, Itália. Repetition and Difference, The Jewish Museum, Nova Iorque, EUA

    2014 Histories II: Works from the Serralves Collection, Museu de Serralves, Portugal. We Are What We Hide, Institute of Contemporary Art, Maine College of Art, Maine, EUA. Under the Same Sun: Art from Latin America Today, Solomon R. Guggenheim Museum, Nova Iorque, EUA. Game Changer, Apt. 81, Jardim Paulistano, São Paulo, Brasil. Beyond the Process – Werke aus der Sammlung Lenikus im Kunstraum Innsbruck, Kunstraum Innsbruck, Áustria

    2013 Emmy Moore’s Journal, Salts, Basel, Suíça. The Future Generation Art Prize@Venice 2013, Palazzo Contarini Polignac, Veneza, Itália. Aspen Art Museum, Aspen, CO, EUA. P&Co., Thomas Duncan Gallery, Los Angeles, EUA. When Attitude Became form Became Attitudes, CCA Wattis, San Francisco, EUA. When Attitude Became form Became Attitudes, Museum of Contemporary Art Detroit, EUA. Ruins in Reverse, Tate Modern project Space, Londres, Reino Unido. Ruins in Reverse, Museo De Arte De Lima, Perú

    2012 Silence, Berkeley Art Museum and Pacific Film Archive, Berkeley, CA, EUA. Material Information, Permanenten Vestlandske Kunstindustrimuseum, Bergen, Noruega. New Works, Herald Street, Londres Reino Unido. Silence, The Menil Collection, Houston, TX, EUA. Common Ground, Public Art Fund, Nova Iorque, EUA. Ritual without Myth, Royal College of Art, Londres, Reino Unido. On Geometry and Speculation, Marrakech Biennale, Marrocos. The Ungovernables, The New Museum, Nova Iorque, EUA. ‘Au loin, une ile!’, Fondation Ricard, Paris, Frnaça

    2011 ’Au loin, une ile!’, FRAC Bordeaux, França. ‘Coup d’eclat’, Fort du Bruissin, Francheville, Frnaça. ‘Distant Star’, Regen Projects, Los Angeles, EUA. ‘Estrella Distante’, Kurimanzutto, Cidade do México, México. ‘CIFO Grants and Commissions Program’, Cisneros Fontanais Art Foundation, Miami, EUA. ’ILLUMInations’, Bienal de Veneza, Veneza, Itália. ’Wallpaperism’, Motel Campio, Genebra, Suíça. ’WELTRAUM/SPACE: ABOUT A DREAM’ Kunsthalle Wien, Áustria.

    2010 ’To the highest mountain’, Galleri Christina Wilson, Copenhaga, Dinamarca. ‘With words like smoke’, Chelsea Project Space, Londres, Reino Unido. ‘Buen viaje’ for ‘Hey, we are closed’, Hayward Gallery, Londres, Reino Unido. Aichi Triennial 2010, Aichi Prefectural Museum, Nagoya, Japão. ’The Chained Lady, the Microscope and the Southern Fish’, SoFA Gallery, Christchurch, Noca Zelândia. Figures don’t lie but liars can figure’ for ‘Serpentine Map Marathon’ (performance em colaboração com Mariana Castillo Debal), Serpentine Gallery, Londres, Reino Unido.

    2009 ‘Every version belongs to the myth’’, Project Arts Center, Dublin, Irlanda. ‘Pete and repeate’, 176 Zabludowicz Collection project space, Londres, Reino Unido. ‘Manifestacion Internacional de performance’, CEIA, Belo Horizonte, Brasil. ‘Deceitful moon’, Hayward Gallery project space, Londres, Reino Unido. ‘Amalia Pica & Felix Gmelin’, Vilma Gold Gallery, Londres, Reino Unido. ‘Street of Sculptures’, Open Source, Public Realm, Amsterdão, Holanda.

    2008 ‘Word Event’, Kunsthalle Basel, Suíça. ‘Nothing of North’, curated by Alexandra Saheb Gallery, Berlim, Alemanha. ‘Robinson Crusoe’, Centro Cultural Montehermoso, Vitoria-Gasteiz, Espanha. ’Certamen Explum’, Puerto Lumbreras, Murcia, Espanha.

    2007 ’Drawing typologies’ Stedelijk Museum, Amsterdão, Holanda. ’Border Jam’ Museo Municipal Juan Manuel Blanes, Montevideo, Uruguai. ‘I know the world 2’, Spawasser Hq, Berlim, Alemanha. ‘100 x winter’, Museum De Paviljoens, Almere, Holanda.

    2006 ‘Lichtjaren. Gouda bij kunstlicht’, SKOR, Gouda (public realm), Gouda, Holanda. ‘We all laughed at Christopher Columbus’, Platform Garanti, Istanbul, Turquia. ‘We all laughed at Christopher Columbus’, Stedelijk Museum Bureau Amsterdam, Amsterdão, Holanda. ‘International 2006’, Liverpool Biennial, Liverpool, UK. ‘In order of appearance’, Living Art Museum, Reykjavik, Islândia

    2005 ‘Open Ateliers 2005’, Rijksakademie van beeldende kunsten, Amsterdam, NL. Utrechtse Voormalige, ‘Poetics of a place’, Utrecht, Holanda.

    2004 ‘Open Ateliers 2005’, Rijksakademie van beeldende kunsten, Amsterdam, NL. ‘Who if not we…? Cordially Invited, episode 3’, BAK, Utrecht, Holanda.

    Obras do artista na colecção
  • (1940) Coimbra, Portugal.

    Ana Vieira nasceu em 1940, em Coimbra. Cresceu na ilha de S. Miguel, nos Açores.

    Vive e trabalha em Lisboa.

    Tem desenvolvido uma forte linha de trabalho em torno da criação de ambientes que se traduz na exploração do espaço, escala e percursos, e consequentemente, em novas formas de percecionar a arte. O som é recorrente nos seus trabalhos.

    Participou em diversas exposições coletivas e individuais de que se destacam: Alternativa Zero -Tendências na Arte Portuguesa Contemporânea, organizada por Ernesto de Sousa, em 1977. Uma exposição antológica, na Fundação de Serralves, em 1998. No CAM – Fundação Calouste Gulbenkian, a exposição Muros de Abrigo, em 2010; na Galeria Graça Brandão, Lisboa, a exposição individual Inquietação, em 2014 e em 2015 um projeto individual na SP Arte Fair, São Paulo, Brasil, com curadoria de Jacopo Crivelli Visconti.

    Em 1985, foi galardoada com o prémio conjunto da Associação Internacional de Críticos de Arte e da Secretaria de Estado da Cultura.

    O seu trabalho está representado em coleções como: CAM – Fundação Calouste Gulbenkian; Fundação de Serralves; Musée Cantonal des Beaux Arts de Lausanne, Fundação EDP e Fundação Carmona e Costa.

    Obras do artista na colecção
  • (1977) Lisboa, Portugal.

    André Laranjinha (Lisboa, 1977) vive e trabalha na ilha de São Miguel, Açores.
É formado em pintura pela FBAUL e divide a sua atividade profissional entre as artes plásticas, o cinema, a ilustração, as artes gráficas e o ensino. É cofundador do atelier Alice’s House, juntamente com a designer gráfica Júlia Garcia.

    Obras do artista na colecção
  • (1959) Rio de Janeiro, Brasil.

    Barrão nasceu em 1959 no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha. Sua obra iniciou-se nos anos 80, feita de apropriações inventivas de objetos quotidianos do mundo do consumo. Entre 1983 e 1991, integrou o grupo 6 mãos, com Ricardo Basbaum e Alexandre Dacosta, desenvolvendo atividades com vídeos, músicas, pinturas ao vivo, performances e objetos. Atualmente, faz parte do grupo Chelpa Ferro, criado em 1995, juntamente com Luiz Zerbini e Sergio Mekler, desenvolvendo um trabalho que combina instalações sonoras e performances.

    Em 2012, teve importante individual no Aldrich Contemporary Art Museum, USA e em 2010 na Fundação Calouste Gulbenkian em Portugal. Participou do Panorama de Arte Brasileira de 2007 e de exposições no MAC, São Paulo; Paço Imperial, Rio de Janeiro; Pinacoteca do Estado de São Paulo; entre outras. No início da carreira participou da celebre exposição Como vai você geração 80? no Parque Lage, Rio de Janeiro que apresentou toda uma geração de novos artistas brasileiros.

    As esculturas de Barrão partem de apropriações de objetos quotidianos – ligados à cultura de consumo – como eletrodomésticos e brinquedos. Em sua produção recente, o artista despedaça e cola peças decorativas de louça, deixando visíveis as emendas feitas com durepox. Enquanto algumas obras nascem do acúmulo de objetos similares como um grupo de elefantes ou um cacho de figas, outras seguem o caminho contrário, unindo peças díspares como caveiras, xícaras, ninfas, papagaios e afins.

    Obras do artista na colecção
  • (1974) Lisboa, Portugal.

    Bruno Pacheco nasceu em 1974, Lisboa, e vive e trabalha entre Lisboa e Londres. Estudou Artes Plásticas – Pintura, na Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa (FBAUL) e Fine Arts no Goldsmith College, University of London, Londres. Desde 2002 que realiza diversas exposições individuais, de onde se destacam: Mar e Campo em três momentos (2012), Casa das Histórias Paula Rego, Cascais; Uma história de Amor (2011), Chiado 8, Lisboa; ainda não (2009), Culturgest, Porto, Portugal; We Did It / It’s True (2008), Hollybush Gardens, Londres; All together (2007), Culturgest, Lisboa; União Latina Award (2005), CAM – Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa; e Slow Motion Project (part 2) (2002), CAM – Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa.

    Obras do artista na colecção
  • (1987) São Miguel, Portugal.

    Carolina Rocha nasceu em 1987 na freguesia de S. José, Ponta Delgada. É licenciada e mestre em Artes Plásticas pela Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha. Entre o ano 2009 e 2012, no âmbito da licenciatura e do mestrado, foi bolseira da Fundação Medeiros e Almeida. Durante o seu percurso artístico, recebeu vários prémios nomeadamente uma Bolsa de Criação Artística da Direção Regional da Cultura dos Açores, em 2013, que resultou numa exposição individual intitulada “Mistérios de Tinta”. Em 2012 foi o primeiro selecionado a artes plásticas no concurso Labjovem e no mesmo ano ficou em primeiro lugar no concurso “A Mulher e a Água.”

    Participa em exposições coletivas e individuais desde 2010. Atualmente vive e trabalha em Angra do Heroísmo, na Ilha Terceira. Está representada em várias coleções particulares e públicas nomeadamente: Clube Soroptimist Internacional, Museu António Duarte nas Caldas da Rainha, Museu de Angra do Heroísmo e Centro de Arte Contemporânea Arquipélago.

    Obras do artista na colecção
  • (1981) Lisboa, Portugal.

    Catarina Botelho é artista Visual a trabalhar com fotografia e vídeo. O seu trabalho relaciona-se com os usos e vivências do lugar e da arquitetura e a noção de natureza morta.

    Desde 2005 apresenta regularmente o seu trabalho destacando-se seguintes momentos: Em 2007 ganha o premio Bes Revelação. Em 2009 realiza a exposição Dias Úteis. Em 2010 é selecionada para a Plat(T)form 10 no WinterthurMuseum. É nomeada para o premio Edp Novos Artistas em 2011 e em 2012 para o European Photo Exhibition Award com exposição na Haus der Photographie em Hamburgo. Também em 2012 vence a convocatória aberta da Galeria Elba Benitez. Em 2013 realiza uma residência artística na FAAP em São Paulo. Em 2014 participa no Taller Una ficción en la realidad, na Fundação Botín. Em 2015 participa na exposição As margens dos Mares, no Sesc Pinheiros em São Paulo e a exposição Memória Descritiva na Appleton Square em Lisboa. Licenciou-se pintura na Faculdade de Belas Artes de Lisboa e estudou fotografia no ArCo e no âmbito do Programa Criatividade e Criação Artística da Fundação Gulbenkian.

    Obras do artista na colecção
  • (1974) São Miguel, Portugal.

    Catarina Branco. Açores, 1974.

    É licenciada em Pintura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa.

    Catarina Branco é uma artista plástica que trabalha com papel recortado à mão, resgatando as tradições culturais e religiosas das ilhas dos Açores, cruzando-as com influências de culturas tão diversas como a cultura africana ou brasileira, numa linguagem contemporânea.

    No seu percurso, destacam-se as exposições na Fonseca Macedo – Arte Contemporânea, na Galeria Belo-Galsterer, Galeria Astarté, no Museu Carlos Machado, no Centro Cultural CEEE Érico Verissimo e no Museu Aloísio Magalhães, Brasil, na Fundação Calouste Gulbenkian – Próximo Futuro, no Carpe Diem Arte e Pesquisa e no Museu Soares dos Reis.

    Obras do artista na colecção
  • (1972) Califórnia, Usa.

    Holstad nasceu em Anaheim, na Califórnia, em 1972. Atualmente vive e trabalha em Nova Iorque. Holstad teve exposições individuais na Galleria Civica de Modena (2009) e na Galleria Nazionale d’Arte Moderna (2009), em Roma. O seu trabalho foi apresentado na Hangzhou Triennial of Fiber Art, Hangzhou, China (2013); Paper, Saatchi Gallery, Londres (2013); Aquatopia, Nottingham Contemporary, Nottingham, com itinerância na Tate St Ives (2013); Graphite, Indianapolis Museum of Art (2013); The Air We Breathe, São Francisco Museum of Modern Art (2011); Coming After, The Power Plant, Toronto (2011); Compilation IV, Kunsthalle, Düsseldorf (2009) e Compass in Hand: Selections from the Judith Rothschild Collection, Museum of Modern Art, Nova Iorque (2009). O trabalho de Holstad está representado nas coleções permanentes de inúmeros museus, entre os quais se incluem: o Museum of Modern Art, Nova Iorque; Carnegie Museum of Art, Pittsburgh; Museum of Contemporary Art, Los Angeles; Museum of Contemporary Art, North Miami; Museum of Contemporary Art, Chicago e o Astrup Fearnley Museet, em Oslo.

    Obras do artista na colecção
  • (1975) Massachusetts, Usa.

    Daniel Oliveira. Nascido em 1975 nos EUA, Licenciado pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa (2001), desenvolveu grande parte da sua obra nos Açores onde residiu até 2013, partindo novamente para os EUA onde reside de momento. As suas esculturas desenvolvem-se no espaço recorrendo a elementos essenciais como a linha e o plano. As suas obras/instalações confrontam-se com o espaço envolvente. O formalismo das criações e o trabalho conceptual ultrapassam uma análise intelectual, exigindo igualmente uma interpretação emocional. Expondo em Portugal, E.U.A., Alemanha, e Sérvia.

    Premiado no “Prémio D.Fernando II”; “Prémio de Artes Plásticas 2011” Fundação INATEL; “London International Creative Competition” Londres; Visual Overture, “International Emerging

    Artists Competition”, Atlanta, E.U.A; “3B Abstract”,“International Visual Art Community Center”, Belgrado, Sérvia.

    Obras do artista na colecção
  • (1976) Los Angeles, Usa.

    Sarabia nasceu em Los Angeles, na Califórnia. Em 1999 termina o seu Bacharelato na Otis College of Art and Design. Em 2003 muda-se para Guadalajara, no México, e posteriormente para Berlim, Alemanha, onde abre o seu bar, Salon Aleman, em 2007. Atualmente vive e continua o seu percurso artístico em Guadalajara, no México.

    O trabalho recente de Sarabia é inspirado nas economias independentes e história do folclore tradicional do norte do México. Trabalha frequentemente com os materiais geralmente utilizados pelos artesãos locais, utilizando cerâmica, têxteis e vidro para criar esculturas e instalações que abordam os temas que gravitam em torno das trocas complexas – sociais, culturais e materiais – que ocorrem quando esta região e a sua história encontram forasteiros. Sem se limitar à crítica da “exotização” da cultura mexicana, Sarabia examina a distância que separa as várias definições de gosto (e, mais diretamente, de legalidade). Misturando narrativas visuais que romantizam temas, artes e comércios ilegais, criando um ambiente que oscila entre o onírico e o abertamente materialista, o trabalho de Sarabia assume-se como uma importante exploração das consequências das forças económicas no universo físico e humano.

    Obras do artista na colecção
  • (1974) Lisboa, Portugal.

    Filipa César é artista e cineasta interessada na porosidade entre imagem em movimento e a sua receção pública, nos aspetos ficcionais do género documental e nas politicas e poéticas inerentes à produção da imagem. Desde 2008, os projetos de filme-ensaio de César têm refletido o passado recente português, questionando os mecanismos de produção de narrativas históricas e propondo espaços para a possibilidade de um conhecimento através da memória e subjetivação. Desde 2011, César tem pesquisado sobre a origem do cinema na Guiné-Bissau desenvolvendo o projeto em curso Luta ca caba inda. César é participante do projeto Visionary Archive (2013-15) organizado pelo Arsenal Institute for Film and Video Art, Berlim. Festivais de Cinema (seleção): Kurzfilmtage Oberhausen, 2013; Forum Expanded – Berlinale, 2013; IFFR, Roterdão, 2010 and 2013; Indie Lisboa, 2010; DocLisboa, 2011. Exposições (seleção): 8th Bienal de Istambul, 2003; Museu de Serralves, Porto, 2005; Tate Modern, Londres, 2007; SFMOMA, 2009; 29th Bienal de São Paulo, 2010; Manifesta 8, Cartagena, 2010, Haus der Kulturen der Welt, Berlim, 2011; Jeu de Paume, Paris, 2012; Kunstwerke, Berlim, 2013; Festival Meeting Points 7, 2013-14; NBK, Berlim, 2014; Hordaland Art Center, Bergen, 2014.

    Obras do artista na colecção
  • (1965) Vale de Cambra, Portugal.

    Gabriela Albergaria nasceu em Vale de Cambra em 1965. Vive e trabalha em Lisboa e Nova Iorque.

    Uma seleção das suas exposições individuais mais recentes inclui L’espace est une impasse où son temps s’abolit, Kunstverein Springhornhof, Alemanha, 2015 / No hay tal cosa como la naturaleza, Hacienda La Trinidad Parque Cultural, Caracas, 2013 / Reverse Position (Invertir la Posición), Galeria Wu, Lima, 2012 / Forking Paths, Vera Cortês Art Agency, Lisboa, 2011 / Térmico, Pavilhão Branco do Museu da Cidade, Lisboa / Gabriela Albergaria, Galeria Vermelho, São Paulo, 2010.

    O seu trabalho foi também incluído em várias exposições coletivas, nomeadamente, Prickley, Tender and Steamy, Artists in the Hothouse, Wave Hill Garden, Glyndor Gallery, Nova Iorque, 2014 / As Tramas do Tempo na Arte Contemporânea: Estética ou Poética, Instituto Figueiredo Ferraz, Ribeirão Preto, 2013 / 1ª Bienal de Montevideo (2012) / Do Not Destroy, Trees Art and Jewish Thought, Contemporary Jewish Museum, São Francisco, 2012 / Ecológica, Museu de Arte Moderna de São Paulo, 2010.

    Obras do artista na colecção
  • (1967) Lisboa, Portugal.

    Gil Heitor Cortesão nasceu em Lisboa em 1967. Vive e trabalha em Lisboa.

    Licenciou-se em Pintura na ESBAL em 1990. Em 1991/92 frequentou a Academia Albertina di Belle Arti de Turim com uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian.

    A partir de 1996, o trabalho que tem vindo a apresentar consiste essencialmente em pinturas realizadas sob vidro acrílico, executadas na face oposta à que é mostrada ao público e nas quais surgem, frequentemente, paisagens urbanas e interiores geralmente desabitados. A arquitetura modernista tem sido objeto de constante revisitação, sujeita a desvios e associações inesperadas.

    Está representado em diversas coleções públicas e privadas, nomeadamente: Fundação ARCO, Madrid; CAM/JAP, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa; EDP – Eletricidade de Portugal; Coleção Fundação de Serralves, Porto; Coleção António Cachola, MACE, Elvas; Coleção Fundação Ilídio Pinho, Porto, Coleção Pedro Cabrita Reis, Lisboa; Museu da Cidade, Lisboa; Coleção Associação Industrial Portuguesa, Lisboa; Fundación Barrié, A Coruña; Musée d’Art Moderne Grand-Duc Jean- Mudam, Luxembourg; Coleção de Arte Contemporânea Arquipélago, Açores; Christen Sveaas Art Collection, Oslo.

    Obras do artista na colecção
  • (1938) São Miguel, Portugal.

    Nasceu em São Miquel, Açores. Vive e trabalha em Lisboa. Fundadora do AR.CO.

     

    Exposições Individuais

    Giefarte, Lisboa, 2012; Museu de Angra do Heroísmo, Açores, 2010; Centro Cultural da Caloura, Açores, 2009; Galeria Arco 8, Açores, 2006; Museu de Santa Maria, Açores, 2004; Galeria Franco-Steggint, Açores, 2003; Galeria Giefarte, Lisboa, 2003; Museu de Angra do Heroísmo, Açores, 2001; Museu Carlos Machado, Açores, 2001; Galeria das Artes, Porto, 2001; Biblioteca Municipal Calouste Gulbenkian, Ponte de Sôr, 2000; Giefarte, Lisboa, 1999; Galeria Arco 8, Açores, 1998; Galeria EMI-Valentim de Carvalho, Lisboa, 1992; Galeria Monumental, Lisboa, 1989; Galeria Quadrum, Lisboa, 1987; Centro Cultural de S. Lourenço, Almasil, 1986; Galeria EMI-Valentim de Carvalho, Lisboa, 1985; Galeria Quadrum, Lisboa, 1984; Galeria Quadrum, Lisboa, 1983.

    Representada em coleções privadas, instituições, museus e escultura pública

     

    Exposições coletivas

    Participação em Exposições Coletivas em Portugal, Brasil, Alemanha, Espanha, Japão e EUA.

    Obras do artista na colecção
  • (1960) Brasil.

    Passa vinte, 1960

    Vive e trabalha em São Paulo, Brasil.

    Gustavo Rezende vive e trabalha em São Paulo onde mantém um estúdio. Leciona escultura e suas relações com o espaço/lugar na Fundação Armando Álvares Penteado, (FAAP), desde 1995. É formado em Arquitetura pela Faculdade de Belas Artes, mestre pelo Goldsmith’s College (Universidade de Londres) e Doutor em Poéticas Visuais pela ECA USP. Participou de exposições em instituições como o MAM São Paulo, Paço das Artes, Pinacoteca do Estado, MAM Rio, Funarte, Candido Mendes entre outras. Com destaque para as exposições, Intimidade’ no Paço das Artes, ‘Gus e os Pequenos Animais’ na Casa Triangulo, ‘Geografia Negra’ no Centro Universitário Maria Antonia, ‘Panorama 1999’ no MAM e Bienal de Havana 1991. Em 1994 fez uma residência de um ano no Goldsmith’s College em Londres através do Britsh Coucil Fellowship, em 2000 foi premiado com a bolsa Vitae e em 2006 fez uma residência artística patrocinada pela FAAP durante seis meses na Cité des Arts em Paris. Em 2013 realizou a individual “Mergulho” na Pinacoteca do Estado de São Paulo.

    A relação entre escultura e desenho é uma das questões que permeia a obra do artista assim como sua preocupação pela maneira que se dá a relação entre o espaço e os materiais e como a partir de certos procedimentos estes elementos resultam na conceção de uma narrativa, conferindo uma identidade ao espaço e criando um lugar.

     

    EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS

    2013 Mergulho, Pinacoteca do Estado de São Paulo, Brasil.

    2012 Maxwell Vindo, Galeria Marilia Razuk, São Paulo, Brasil.

    2009 Crepe Sexy Thing, Galeria Marilia Razuk São Paulo, Brasil.

    Crepe Sexy Thing, Museu de Arte de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto, Brasil.

    2004 Universidade de São Paulo, Maria Antonia, São Paulo, Brasil.

    Galeria Casa Triangulo, São Paulo, Brasil.

    2002 Paço das Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

    2001 Galeria Baró-Senna, São Paulo, Brasil.

    1996 Galeria Millan, São Paulo, Brasil.

    Galeria Sérgio Porto, Rio de Janeiro, Brasil.

    1995 Museu de Arte Moderna, São Paulo, Brasil.

    1991 Projeto Macunaíma, IBAC, Rio de Janeiro, Brasil.

    Centro Cultural São Paulo, São Paulo, Brasil.

    Centro Cultural Cândido Mendes, Rio de Janeiro, Brasil.

     

    EXPOSIÇÕES COLETIVAS

    2011 Nova Escultura Brasileira, curadoria de (curated by) Alexandre Murucci, Caixa Cultural, Rio de Janeiro, Brasil.

    2010 A Representação do Mundo, curadoria de (curated by) Paulo Reis, Paralela 2010. Kierkgaards Walk, curadoria de (curated by) Jacoppo Crivelli Visconti, Galeria Marilia Razuk, São Paulo, Brasil. Do pensamento à Representação, Galeria Marilia Razuk, São Paulo, Brasil.

    2009 Galeria Fernando Padilha, Madrid, Spain. Experiências Contemporâneas, Coleção Marcantonio Vilaça, Espaço Cultural Marcantonio Vilaça, Brasília, Brasil.

    2008 Novas Aquisições, Pinacoteca do Estado de São Paulo, São Paulo, Brasil.

    2007 Intimidades – Jogos Perigosos, Galeria Marilia Razuck, São Paulo, Brasil.

    2006 Um Século de Arte Brasileira, Pinacoteca do Estado, São Paulo, Brasil. Paralela, Parque Ibirapuera, São Paulo, Brasil. Sem Titulo, Comodato Edu Brandao, Ian Field, Museu de Arte Moderna, São Paulo, Brasil. Clube da Gravura: 20 anos, Museu de Arte Moderna, São Paulo, Brasil.

    2005 O Retrato Como Imagem do Mundo, Museu de Arte Moderna, São Paulo, Brasil.

    2004 Paralela, São Paulo, Brasil. Artefoto, C, Brasília, Brasil. Fotografia, Não Fotografia, Museu de Arte Moderna, São Paulo, Brasil.

    2003 Amigos, Villas Lobosentro Cultural Banco do Brasil, São Paulo, Brasil.

    2002 Os gêneros da arte: natureza morta na arte contemporânea, Museu de Arte Moderna São Paulo, Brasil. Insólitos, Museu de Arte Moderna, São Paulo, Brasil.

    Fotografia, Não Fotografia, Museu de Arte Moderna, São Paulo, Brasil.

    2001 Deslocamentos do Eu, Paço das Artes, São Paulo, Brasil.

    Palavra-Figura, Paço das Artes, São Paulo, Brasil.

    Deslocamentos do Eu, Itaú Cultural, Campinas, Brasil.

    Auto retrato – Espelho do Artista, Museu de Arte Contemporânea, São Paulo, Brasil.

    Coleção Dulce, João Carlos Figueiredo Ferraz, Museu de Arte Moderna, São Paulo, Brasil.

    2000 Nova obra, Museu de Arte Contemporânea, São Paulo, Brasil.

    América Foto Latina, Museu de lãs Artes, Guadalajara, México.

    Coletiva Galeria Baró Senna, Galeria Baró Senna, São Paulo, Brasil.

    Entre Arte e Design…, Museu de Arte Moderna, São Paulo, Brasil.

    Panorama 99, Museu de Arte Moderna de Recife, Recife, Brasil; Museu de Arte Contemporânea de Niterói, Niterói, Brasil.

    Panorama da Arte Brasileira, Museu de Arte Moderna, São Paulo, Brasil.

    Panorama da Arte Brasileira, Museu de Arte Contemporânea de Niterói, Niterói, Brasil.

    Panorama da arte Brasileira, Museu de Arte Moderna de Recife, Recefe, Brasil 500 anos de Descobrimento – Banco de Boston, Museu de Arte Moderna, São Paulo, Brasil.

    1998 Ponto Cego, Museu da Imagem e do Som, São Paulo, Brasil. Medidas de Si, Museu de Arte Moderna, São Paulo, Brasil. Doações Recentes, Museu de Arte Moderna, São Paulo, Brasil. Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro, Brasil.

    1996 Arte Brasileira Contemporânea – Doações Recentes, Museu de Arte Moderna, São Paulo, Brasil. Chisenhale Gallery, Londres, UK. Out of the Nineties, Mall Galleries, Londres, UK. BR – UK, Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro, Brasil.

    1991 Salão de Instalação, Engenho Central, Piracicaba, Brasil. 4ª Bienal de Havana, Havana, Cuba. Centro Wifredo Lam, Habana, Cuba. Panorama da Arte Atual Moderna, Museu de Arte Moderna, São Paulo. 6 Artistas Convidados de Bienal de Havana, Havana, Cuba. Galeria Casa Triângulo, São Paulo, Havana, Cuba.

    1990 Projeto Macunaíma, FUNARTE, Rio de Janeiro, Brasil.

     

    PRÊMIOS E BOLSAS DE ESTUDOS

    2010 Award Acquisition, Pinacoteca do Estado de São Paulo, São Paulo, Brasil.

    2006 Residência Cite Internacional des Arts, estúdio FAAP, Paris, France.

    2000 Bolsa Vitae de Artes.

    1998 Premiação e Seleção de Trabalho para Publicação comemorativa dos 500 anos do Descobrimento, Banco de Boston, Boston, USA.

    1992 British Council Fellowship, Um ano de estadia em Universidade Inglesa sob patrocínio do Conselho Britânico, São Paulo, Brasil.

    Menção Honrosa, Salão de Instalações de Piracicaba, Piracicaba, Brasil.

     

    COLEÇÕES PÚBLICAS

    Novo Museu dos Açores, Portugal.

    Museu de Arte Moderna de São Paulo, São Paulo, Brasil.

    Museu de Arte Contemporânea da USP, São Paulo, Brasil.

    Pinacoteca do Estado de São Paulo, São Paulo, Brasil.

    Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Rio de janeiro, Brasil.

    Coleção Centro Cultural Candido Mendes.

    Obras do artista na colecção
  • (1977) Lisboa, Portugal.

    Estudou na FBAUL, no Ar.Co e, no Hunter College. Expõe desde 1998. Destacam-se os projetos individuais: O espaço diz à matéria como se mover e a matéria diz ao espaço como se curvar; Presença Inflectida; Resistência e Desistência; Inês Botelho (Galeria Filomena Soares); Náufrago (CurLab, Guimarães 2012); Lugar Falhado (Pavilhão Branco); El Original Espacio Social (Matadero Madrid); Trade-off/Gravidade e Graça (Casa d’Os Dias da Água); Inês Botelho (ZDB); E as participações nas exposições coletivas: A Natureza ri da Cultura (Museu da Luz), Fronteiras (Óbidos), Linhas Invisíveis (Torres Vedras), Sítio das Artes (CAM, Gulbenkian), Negativo/Positivo (Coleção EDP, M|i|Mo, Leiria), Jogos de Espelhos (Coleção António Cachola, Elvas), Opções e Futuros (Coleção PLMJ, Museu da Cidade), Metaphysics of Youth – Fuoriuso (Pescara, Itália), Europart (Viena e Salzburgo), Conflux Festival (Brooklyn), EDP Novos Artistas (Serralves), Veneer /Folheado (Catalyst Arts, Belfast), Inês Botelho/Mário Cordeiro (Sala do Veado), 46 Salon de Montrouge (Montrouge), Gotofrisco, (ZDB e Southernexposure, São Francisco), T9 e Inmemory (ZDB).

    Obras do artista na colecção
  • (1976) Lisboa, Portugal.

    João Onofre nasceu em Lisboa, 1976, onde vive e trabalha. Estudou na Faculdade de Belas Artes de Lisboa e concluiu o Master of Fine Arts no Goldsmiths College no Reino Unido em 1999. Entre as suas exposições individuais destacam-se: I-20, Nova Iorque (2001); P.S.1. / MoMA Contemporary Art Center, Nova Iorque (2002); Nothing Will Go Wrong, MNAC, Lisboa, e CGAC, Santiago de Compostela, Espanha (2003); Project Space Kunsthalle Wien- Karlsplatz. Viena (2003). João Onofre, Magazin 4, Bregenz, (2004); Galeria Toni Tàpies, Barcelona (2005); Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa (2007); Fundació Joan Miró, Barcelona e Palais de Tokyo, Paris ambas em 2011; Marlborough Contemporary, Londres (2014).

    Integrou inúmeras exposições coletivas internacionais entre as quais, se distinguem de forma mais notável: The 49th Venice Biennale, Human Interest at Philadelphia Museum of Art, Philadelphia; Youth of Today, Schirn Kunsthalle, Frankfurt; Performing Bodies, Tate Modern, Londres;Video, An Art, A History 1965-2005 New Media collection, Centre Pompidou, Sydney- Contemporary Art Museum, Barcelona- Fundació La Caixa, Taipei Fine Art Museum; Postscript: Writing After Conceptual Art, Denver Museum of Contemporary Art, Denver, E.U.A.

    O seu trabalho está incluído em diversas coleções públicas e privadas, entre as quais: Museum of Contemporary Art, Chicago; Albright-Knox Art Gallery, Buffalo; Centre Georges Pompidou – MNAM/CCI, Paris; The Weltkunst Foundation, Zurique; La Caixa, Barcelona; MACS – Museu de Serralves, Porto; – Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa; Arquipélago – Centro de Artes Contemporâneas, Ribeira Grande, S. Miguel, Açores, Portugal; MNAC – Museu do Chiado, Lisbon; GAM – Galeria D’Arte Moderna e Contenporanea, Turim; Fundación/Coleccion Jumex, Cidade do México; Fondazione Sandretto Re Rebaudengo, Turim; Centre National des Arts Plastiques-Ministère Culture, Paris.

    Obras do artista na colecção
  • (1976) Lisboa, Portugal.

    João Pedro Vale (Lisboa, 1976). Vive e trabalha em Lisboa. Realizou diversas exposições individuais e coletivas tanto em Portugal como no Estrangeiro. Destacando-se as individuais na Galeria Leme, S.Paulo (Brasil); NurtureArt, Nova Iorque (EUA); Fundação PLMJ e Museu do Chiado, Lisboa; Union Fenosa, Corunha (Espanha). E coletivas na Fundação EDP; Museu de Serralves; Museu Berardo; CAM – Gulbenkian; Museo Patio Herreriano de Valladolid (Espanha); Centre PasquArt (Suiça); Estação Pinacoteca e Centro Helio Oiticica (Brasil); Gasworks, Londres (R.U.); Smithsonian Museum, Washington (EUA). Possui obras em coleções como Tate, Londres; Fundação de Serralves, Museu do Chiado e Fundação Gulbenkian.

    Obras do artista na colecção
  • (1957) Lisboa, Portugal.

    João Queiroz nasceu em Lisboa em 1957, onde vive e trabalha. Expondo individualmente desde 1986, uma seleção das suas exposições individuais inclui Stanca Luce (Fundação Carmona e Costa, 2015); A noiva dourada, (Vera Cortês Art Agency, 2013); Afinal era uma borboleta (Pavilhão Branco, Museu da Cidade, Lisboa, 2012); Silvæ (Culturgest, Lisboa, 2010); Chiado 8 Arte Contemporânea (Lisboa, 2007) e Centro de Arte Moderna (Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 2006).

    Das coletivas em que participou destacam-se Sincronias (MEIAC, Badajoz, 2012); Flatland Redux (Palácio Vila Flor, Guimarães, 2012); Como proteger-se do tigre: (Bienal de Cerveira, 2011); A paisagem na coleção do Centro de arte moderna José de Azeredo Perdigão (Lisboa, 2011); Portugal Agora (MUDAM, Luxemburgo, 2007) e Zoom 1986-2002: Coleção de Arte Contemporânea da FLAD (Fundação de Serralves, Porto, 2002).

    João Queiroz foi o vencedor do Prémio AICA 2011 e do prémio EDP de desenho em 2000.

    Obras do artista na colecção
  • (1963) São Miguel, Portugal.

    Joe Lima é pintor, escultor e gravador. Nasceu nos Açores, em Portugal, no ano de 1963. Trabala e vive em Montreal e é representado pela Galerie Nicolas Robert. Estudou artes visuais no Fanshawe College na London Ontario and Concordia University, onde obteve o seu B.F.A. Joe Lima tem vindo a expor o seu trabalho desde 1986. Entre 1990 e 2008 focou-se principalmente na pintura, produzindo grandes telas e frescos. Os seus frescos receberam muita atenção positiva por parte da crítica e ele teve grandes exposições do seu trabalho nas Cambridge Galleries e no Rodman Hall Art Center, no Canadá. A sua primeira grande exposição em Montreal aconteceu na Galerie d’Art Lavalin, onde expôs algum do seu trabalho de escultura mais antigo. Desde então, Joe Lima expôs o seu trabalho em diversos Museus e Galerias no Canadá e na Europa. Expôs as suas gravuras em diversas bienais na Europa, 8ª Bienal de Gravura no Museu de Arte Moderna e Contemporânea de Liège (MAMAC), representando Portugal, e na 13ª Bienal em Bruges, na Bélgica, no Museu Arentshuis, onde venceu o primeiro prémio com a sua xilogravura «The Inner Room». Em 2014 e 2015 representa o Canadá na Global Print e na 8ª Bienal de Gravura do Douro, em Portugal. Nos últimos anos Lima tem-se focado na produção de grandes placas e impressões de xilogravura. No trabalho de Lima existe uma atenção particular ao “desconhecido” que se esconde nos territórios do mistério e do segredo. As suas imagens revelam o que é conhecido mas também aquilo que está escondido nas estruturas, paisagens e espaços interiores. Joe Lima apresenta novas xilogravuras e pinturas na Nicolas Robert Gallery (outubro 2015) e na Woodstock Art Gallery, em Woodstock, Ontário, em fevereiro de 2016.

    Obras do artista na colecção
  • (1961) Mangualde, Portugal.

    José Loureiro nasceu em Mangualde em 1961. Vive e trabalha em Lisboa.

    Elege, como momentos marcantes da sua formação artística, duas leituras: o poema Deslumbramentos de O Livro de Cesário Verde, de Cesário Verde; e o capítulo de Guerra e Paz, de Lev Tolstoi, onde é narrada a batalha de Boronidó. Atualmente, toda a sua vida gira em torno de três palavras: priolo, filamento e aro.

    O artista está representado em diversas coleções públicas e privadas, nacionais e internacionais, das quais se destacam Fundação de Serralves, Porto, Portugal; Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão – Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa; Coleção Caixa Geral de Depósitos, Lisboa, Portugal; Coleção Berardo, Lisboa, Portugal; Coleção António Cachola, Elvas, Portugal; Museu de Arte Contemporânea do Funchal, Madeira, Portugal; Fundação Leal Rios, Lisboa, Portugal; Arquipélago – Centro de Artes Contemporâneas, Ribeira Grande, S. Miguel, Açores, Portugal; Centre Pompidou – Museu Nacional de Arte Moderna, França; Fundação de Arte Contemporânea Daniel & Florence Guerlain, Les Mesnuls, França; European Investment Bank, Luxemburgo; European Patent Office, Munique, Alemanha; European Central Bank, Frankfurt, Alemanha; Hiscox, Londres, UK.

    Obras do artista na colecção
  • (1960) Anadia, Portugal.

    José Maçãs de Carvalho, Anadia, 1960. Doutoramento em Arte Contemporânea – Colégio das Artes da Universidade de Coimbra, em 2014. Fez estudos em Gestão de Artes na década de 90 e Literatura em 80; Professor no Departamento de Arquitetura e no Colégio das Artes da U. de Coimbra; Artista Plástico.

    Nomeado para o prémio BESPhoto 2005 e “short-list” do Pictet Prix (Suiça), em 2008.

    Expõe desde 1990 fotografia e vídeo desde os anos 2000. Em 2013 mostrou vídeos em Nova Iorque e Paris (“Fuso NY”, Union Square Park, e “Chantiers d ́Europe”, Theatre de la Ville) e em 2011 em Oslo (“When a painting moves…something must be rotten!”, Stenersen Museum). Entre 2011 e 2014 realizou 4 exposições individuais em torno do tema da sua tese de doutoramento (arquivo e memória), no CAV, Coimbra; Ateliers Concorde, Lisboa e Colégio das Artes, Coimbra; Galeria VPF, Lisboa; Arquivo Municipal de Fotografia, Lisboa e foi editado um livro pela StolenBooks, em Março de 2014. Em 2015 a Amieira editou o seu livro “Partir por todos os dias”.

    Obras do artista na colecção
  • (1937) Santa Maria, Portugal.

    Nasceu em 1937, na Ilha de Santa Maria, Açores. Licenciado em Pintura pela Escola Superior de Belas Artes de Lisboa. Artista residente do Centro de Arte Moderna em 1985-86 e bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian e da Fundação Luso- Americana (1987-88). Durante este período frequentou o Center for Advanced Visual Studies do M.I.T. – Massachusetts Institute of Tecnology, Cambridge USA.

    Obras do artista na colecção
  • (1982) Joanesburgo, África do Sul.

    Lawrence Lemaoana nasceu em Joanesburgo, em 1982. Viveu em Welkom antes de regressar a Joanesburgo para completar os seus estudos. Completou o seu bacharelato em Belas Artes na Universidade de Joanesburgo. Neste momento prepara a sua tese de Mestrado na Universidade de Witwatersrand. Lemaoana participou em inúmeras exposições coletivas, local e internacionalmente, e teve a sua primeira individual em 2006. Lemaoana foi agraciado com vários prémios e distinções. Atualmente é professor assistente na Universidade da África do Sul (UNISA).

    Exposições: 2009: Red Cross Children’s Hospital Auction, Goodman Gallery, Cidade do Cabo. 2008: Fortune Telling in Black, Red and White, na Art Extra, Joanesburgo; no stand da Art Extra na FNB JoburgArtFair, Joanesburgo. 2007: Positive Show, Gallery Demosniel 89, Paris, França; Players of Colours, Gallery Demosniel 89, Paris, França; Hierarchy of colours, Absa Gallery, Joanesburgo; Players of Colour, itinerância promovida pela Alliance Française em vários locais nas principais cidades Sul-Africanas. David Krut Publications – em colaboração com ARTBANK Joanesburgo, David Krut Studios, Joanesburgo. 2006: Players of Colour, Gordart Gallery, Joanesburgo.

    Exposições colectivas: 2013: My Jo’burg, Dresden, Alemanha; My Jo’burg, Paris, França; Some Views from Africa, Verona, Itália. 2010: FNB JoburgArtFair, PEEKABOO: Current South Africa no Tennis Palace Art Museum, Helsínquia, Finlândia. TXT na James Harris Gallery, Seattle, WA. Ampersand na Daimler Contemporary, Berlim, Alemanha. Atopia no CCCB, Barcelona, Espanha. 2009: Beauty and Pleasure com curadoria de Selene Wendt e Khwezi Gule no Sternersen Museum, Oslo, Noruega; Self/Not-Self, Brodie/Stevensons, Joanesburgo, África do Sul. 2008: I Love Jozi, na Ilha da Reunião.

    Residências: 2010: kunst:raum sylt quelle, Alemanha. 2009: The Ampersand Foundation Fellowship, Nova Iorque, EUA. 2008: Pro Helvetia – IAAB, Basileia, Suíça. 2006: Cité internationale des Arts, Paris, França.

    Prémios: 2008: ABSA KKNK, artista do festival. 2005: ABSA L’Atelier Gerald Sekoto Award, África do Sul.

    Coleções: Iziko National Museum, Cidade do Cabo. Johannesburg Art Gallery. Universidade da África do Sul (UNISA).

    Obras do artista na colecção
  • (1984) Lisboa, Portugal.

    Luísa Jacinto. 1984, Lisboa. Estudou Artes Plásticas na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, e terminou o MA em Fine Art na Byam Shaw School of Art – Central Saint Martins, Londres, em 2009.

    Expõe regularmente desde 2007. Das exposições individuais, destacam-se Roda que roda, à volta do quarto, comissariada por Fátima Lambert, Museu Soares dos Reis e Quase Galeria, Porto, 2015, Basta um só dia, comissariada por João Miguel Fernandes Jorge com edição de monografia, Museu Carlos Machado, Ponta Delgada, 2012, Things change quickly, Espaço Avenida – Lisboa, 2010. O trabalho de Luísa Jacinto está representado em diversas coleções privadas e institucionais.

    Obras do artista na colecção
  • (1981) Terceira, Portugal.

    Maria Ana Simões nasceu em 1981, em Angra do Heroísmo. Licenciou-se em Escultura na Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, em 2003, ao abrigo do programa Erasmus frequentou a Accademia di Belle Arti di Firenzi. Em 2006 viveu na cidade de Friburgo (Alemanha) sob a direção do artista Daniel Rösch ao abrigo do programa Leonardo da Vinci. Em 2010 conclui o mestrado em Ensino de Artes Visuais pela Universidade de Lisboa. Desde 2003 que tem participado em diversas exposições coletivas e individuais, destacando-se: Comemorativa do 10º Ano VOLTE FACE, New Ideas in Medallic Sculpture, Reitoria da UL; Exposição Coletiva de Arte Contemporânea, Museu de Angra do Heroísmo; Exhibition Alumini Medialia, Rack and Hamper, Nova Iorque; Exposição New Ideas in Medallic Sculpture, Reitoria da UL; Escultura de Pequeno Formato, Sociedade Nacional de Belas Artes; Instalação coletiva “Alvaros & Chairs”, Fachada da Reitoria de Lisboa; Exposição de Escultura e Pintura, Accademia di Belle Arti di Firenze; Metamorfose”, Galeria de Arte Contemporânea Carmina, Angra; e “Percursos”, Centro Cultural de Angra do Heroísmo.

    Obras do artista na colecção
  • (1967) Ponta Delgada, Portugal.

    Maria José Cavaco nasceu em 1967, em Ponta Delgada, cidade onde vive e trabalha. É licenciada em Artes Plásticas – Pintura pela Faculdade de Belas Artes de Lisboa. Colaborou com a Direção Regional da Cultura na implementação de projetos de divulgação e de desenvolvimento da arte contemporânea nos Açores. Atualmente está a concluir, no ISCTE-IUL, a sua tese de doutoramento artístico, com o título Lugares de Fractura: A Auto-Reflexividade na Ficção Artística. O seu trabalho cruza a pintura com diversos meios de expressão, incidindo sobre as estratégias e possibilidades de construção de sentidos. Ao longo das últimas três décadas teve várias exposições individuais em Portugal, e coletivas em diversos países. Está representada em diversas coleções públicas e privadas.

    Obras do artista na colecção
  • (1984) Lisboa, Portugal.

    Brevemente

    Obras do artista na colecção
  • (1975) Cidade do Cabo, África do Sul.

    Nicholas Hlobo nasceu na Cidade do Cabo em 1975. Atualmente vive e trabalha em Joanesburgo. Graduou-se com um grau B Tech na Wits Technikon, Joanesburgo (2002). Entre outras instituições, teve exposições individuais em: Locust Projects, Miami, (2013); Museu Nacional de Arte e Arquitectura e Design, (2011); na Level 2 Gallery da Tate Modern, Londres (2008), e no Boston ICA inserido na série Momentum (2008).

    Em 2014 participou em exposições coletivas como Thinking, Feeling, Head, Heart, no The New Church Museum, na Cidade do Cabo; Chroma, Stevenson, Cidade do Cabo; The Danjuma Collection: One Man’s Trash (Is Another Man’s Treasure), 33 Fitzroy Square, Londres; Threads, Museum Arnhem, Holanda; Public Intimacy: Art and Social Life in South Africa no Yerba Buena Center for the Arts, San Francisco; The Divine Comedy: Heaven, Purgatory and Hell Revisited by Contemporary African Artists, MMK (Museu de Arte Moderna), Frankfurt, Alemanha, SCAD Museum of Art, Savannah, Geórgia, EUA; todas em 2014; atualmente tem trabalho no Centre Pompidou, Paris, integrado na exposição A History (Art, Architecture and Design from the 80s to Now) (até 7 de Março de 2016); e na Tate Modern, integrado na exposição Energy and Process, uma mostra temática de trabalhos da coleção.

    Em 2011 expôs no ILLUMInations, integrado na 54ª edição da Bienal de Veneza; o seu trabalho esteve também em Veneza integrado na exposição The World Belongs to You, works from the Pinault Collection, no Palazzo Grassi, e na mostra do Future Generation Art Prize, no Palazzo Papadopoli. O seu trabalho foi exposto noutras bienais e trienais, incluindo a 18ª Bienal de Sydney (2012), La Triennale 2012 – Intense Proximity, Palais de Tokyo, Paris (2012); Touched, the Liverpool Biennial (2010); A Terceira Trienal de Guangzhou, China (2008); e Flow at the Studio Museum, em Harlem (2008).

    Foi o vencedor do Tollman Award em 2006, o Standard Bank Young Artist for Visual Art 2009, e o Rolex Visual Arts Protégé em 2010/11, trabalhando com Anish Kapoor como seu mentor.

    Obras do artista na colecção
  • (1975) Mar Del Plata, Argentina.

    Nicolas Robbio, nasceu em 1975 na cidade de Mar del PLata-Argentina.

    Em 1992 estuda carpintaria na escola de artes e ofícios Islãs Malvinas. Em 1996 entra na escola superior de artes visuais Martin A. Malharro.

    Participa da bolsa do Fundo internacional de arte contemporânea, da cidade de Mar del Plata, onde conhece entre outros ao artista brasileiro Marco Paulo Rola.

    Em 1999 participa do grupo de estudos no atelier do artista Jorge Macchi em Buenos Aires.

    Em 2001 muda-se para São Paulo-Brasil; onde por intermédio de Marco Paulo conhece Dora Longo Bahia, artista e professora da faculdade, que o convida a participar de um grupo de conversas que junta artistas e pessoas da arte; começando assim, a formar parte da cena da arte no Brasil. Atualmente, vive e trabalha em São Paulo, realiza exposições fora e dentro do Brasil, além de publicações, livros de artista, e outros projetos em parceria com pessoas de São Paulo, Mar del PLata, Bogotá, Berlin, Lisboa, entre outros.

    Tem participado em diversas exposições coletivas e individuais; Indirections – Pharos Centre for Contemporary Art – Nicósia – Chipre / Emissores Reunidos [Episódio 1]: O Amanhã de ontem não é hoje – Fundação Serralves – Porto – Portugal / Se mueve pero no se hunde – Galeria Vermelho – São Paulo – Brasil / La Razón del Equilibrio – Nueveochenta Arte Contemporâneo – Bogotá – Colômbia / 28ª Bienal de São Paulo – Fundação Bienal de São Paulo – São Paulo – Brasil / Algunas cuestiones al trazar una línea – Ruth Benzacar, Galeria de Arte – Buenos Aires – Argentina / Medos Modernos – Instituto Tomie Ohtake [ITO] – São Paulo – Brasil / Imagine Brazil – MAC Lyon – Lion – França / Observações de uma realidade sincopada – Museu da Cidade (Pavilhão Branco) – Lisboa – Portugal / Pontos Colaterais – Arquipélago – Centro de Artes Contemporâneas – Açores – Portugal / X Bienal Monterrey FEMSA – Monterrey – México / 2° Trienal Poli / Gráfica de San Juan – San Juan – Porto Rico / Desenhos [Drawings] A – Z – Museu Da Cidade – Lisboa – Portugal.

    Obras do artista na colecção
  • (1948) Ourique, Portugal.

    Noémia Cruz licenciou-se em Escultura na ESBAL em 1980. Exerce atividade docente em artes visuais, entre 1976 e 1996. Trabalhou com o escultor Jorge Vieira entre 1980 e 1998. De 2004 a 2008 coordena as atividades realizadas no Museu Jorge Vieira, em Beja, tendo regressado em 2011. Organiza as Exposições/Homenagem a Jorge Vieira, Intemporalidad, 2002, na Galeria Raquel Ponce, Madrid, no Palácio Pimentel, Valladolid; Cada Desenho um Amigo 2008, Galeria Arte Contempo, Lisboa, em parceria com o Museu Municipal de Estremoz. Colaborou no Projeto de Sensibilização à Criatividade, promovido pela Câmara Municipal de Lisboa, em 1991/92. Participa no Festival Escrita na Paisagem de 2008ª 2012. Participa no projeto jardim champanheproyeto artes ediciones Valadollid, 2012. Escreve vários textos para catálogos de artes plásticas. Expõe individualmente desde 1987, com destaque para o projeto Os meus ”bonecos” que expôs entre 2011 e 2013 em Estremoz, Lisboa, (MNA), Brasil (UNESP), no âmbito do Festival Escrita na Paisagem.

    É autora do Conjunto Escultórico no Largo de São João em Beja (2004).

    Obras do artista na colecção
  • (1971) Leiria, Portugal.

    Nuno Sousa Vieira, 1971. Vive e trabalha entre Lisboa e Leiria.

    Exposições individuais (seleção): “Ouvi dizer que o lugar mais escuro é sempre debaixo da luz”, Kunsthalle São Paulo, 2014; “Opaco”, Escritório, Lisboa; “Um Ateliê, uma Fábrica e uma Sala de Exposição, Nem sempre por esta ordem”, Círculo de Artes Plásticas de Coimbra; 2013; Vision Oblier, L’Attent, Galeria Emmanuel Hervé, Paris, 2013; “Somos nós que mudamos quando tomamos efetivamente conhecimento do outro”, Pavilhão Branco, Museu da Cidade de Lisboa, 2012; “Wall Stop for This”, Appleton Square, Lisboa, 2012; “Don’t underestimate the impact of the workplace”, Newlyn Art Gallery, Reino Unido, 2010; “Haben Gegenstände ein Gedächtnis?”, Hans Mayer Gallery, Dusseldorf, 2010; “Terça-feira a Sábado – 11h às 20h”, 2010 e “To Draw an Escape Plan”, 2009, ambas na Galeria Graça Brandão, Lisboa e “Redesenhar”, Empty Cube, Lisboa, 2008.

    O seu trabalho está representado nas coleções: AA, PINTA, CAV (Centro de Artes Visuais), CAPC (Circulo de Artes Plástica de Coimbra), Teixeira de Freitas, PLMJ, António Cachola, Câmara Municipal de Leiria, Ar.Co, Paulo Pimenta, Arquipélago, MAM Rio de Janeiro, José Lima.

    Obras do artista na colecção
  • (1975) São Miguel, Portugal.

    1975, Pilar-Bretanha, em S. Miguel (Açores), Portugal.

    Licenciatura em Pintura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, em 2004.

     

    Exposições Individuais / Solo Exhibitions

    2013 A Luz Insubmissa, Trema Arte Contemporânea, Lisboa. 2012 A Sombra dos Álamos, Galeria Movimento Arte Contemporânea, Lisboa. Outono, Galeria Paulo Nunes – Arte Contemporânea/ Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, Pavilhão Multiusos de Vila Franca de Xira. A Sombra dos Álamos – Oficinas Municipais de Aljustrel, parceria com a Galeria Movimento Arte Contemporânea, Lisboa; 2011 Encontrei-te amanhã…, Fundação Henrique Leote e Galeria Paulo Nunes – Arte Contemporânea, Convento de São Paulo, Redondo. 2010 A Revelação, Galeria Arte Periférica, Centro Cultural de Belém, Lisboa; 2009 Os Confidentes, Galeria Arte Periférica, Centro Cultural de Belém, Lisboa; 2007 Eu Amo (Reabilitação), Galeria Arte Periférica, Centro Cultural de Belém, Lisboa; No Abismo Secreto do Peito, Galeria Fonseca e Macedo, Ponta Delgada, Açores; 2006 Um lugar ao Lado do Coração, Galeria Arte Periférica, Centro Cultural de Belém, Lisboa.2005 Amor Branco-de-Chumbo, Galeria Arte Periférica, Centro Cultural de Belém, Lisboa.

     

    Exposições Coletivas / Group Exhibitions

    2013 3 Artistas da Trema, Galeria Municipal D. Dinis, Estremoz. 2012 Inauguração da Galeria CB Concept Art, Carcavelos. Arquipélago, Academia das Artes doa Açores, Ponta Delgada. MIAB 2012: Bienal de Arte Contemporânea da Madeira, Funchal. 2011 Coletiva do Natal MAC, Movimento Arte Contemporânea, Lisboa. Coletiva do 17º Aniversário MAC, Movimento Arte Contemporânea, Lisboa. ViennaFair 11 – Feira Internacional de Viena, Stand Galeria Paulo Nunes Arte Contemporânea, Viena. ArtMadrid 11 – Feira Internacional de Madrid, Stand Galeria Paulo Nunes Arte Contemporânea, Madrid. 2010 Celeiro do Patriarcal da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, Galeria Paulo Nunes Arte Contemporânea, Vila Franca de Xira. Homenagem ao Pintor Nadir Afonso, Galeria do Casino do Estoril, Estoril. 2009 Arte Lisboa 09 – FIL, Stand Galeria Arte Periférica, Lisboa. 2008 Arte Lisboa 08 – FIL, Stand Galeria Arte Periférica, Lisboa. 2007 Arte Lisboa 07 – FiL, Stand Galeria Arte Periférica, Lisboa; Gravura Contemporânea, Faculdade de Belas Artes de Lisboa, Lisboa. 2006 Arte Lisboa 06 – FiL, Stand Galeria Arte Periférica, Lisboa; Passagens, comissariada por Filomena Cunha, Casa do Gaiato, Santo Antão do Tojal, Loures. 2005 Arte Lisboa 05 – FiL, Stand Galeria Arte Periférica, Lisboa. PanFair 05 – Feira Internacional de Arte, Stand Galeria Husstege, Amesterdão. XVII Salão de Primavera, Galeria de Arte Casino Estoril, Estoril. ARCO 05 – Feira Internacional de Madrid, Stand Galeria Arte Periférica, Madrid. 2004 Arte Lisboa 04 – FiL, Stand Galeria Arte Periférica, Lisboa Coletiva, Novos Artistas, Galeria Arte Periférica, Centro Cultural de Belém, Lisboa. V Congresso das Academias do Mediterrâneo, Comenda Di Pré, Génova, Itália. XVI Salão de Primavera, Galeria de Arte Casino Estoril, Estoril. Galeria Gravura Cooperativa de Gravadores, Lisboa.

    Prémios / Awards

    1. Menção Honrosa do XVII Salão de Primavera, Galeria de Arte Casino Estoril, Estoril; 2004. 1º Prémio do XVI Salão de Primavera, Galeria de Arte Casino Estoril, Estoril. Representado em vários espaços públicos e privados, como na Fundação Henrique Leote, na Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, no Museu Carlos Machado, Ponta Delgada, Governo Regional dos Açores. Trabalho Gráfico: Capa do Livro, Zona de Perda – Livro de Albas, (poesia) de Pedro Sena-Lino, Edição Objeto Cardíaco, 2005.
    Obras do artista na colecção
  • (1979) Almada, Portugal.

    Pedro Barateiro nasceu em 1979, em Almada, Portugal. Atualmente vive e trabalha em Lisboa. Realizou o Mestrado em Artes Visuais (2006) na Malmö Art Academy, Suécia e estudou na Mamaus – Escola de Artes Visuais (2003-2005), Lisboa. Esteve em residência artística no na AIR – Antwerpen (2012), Bélgica; Palais de Tokyo (2008-09), Paris, França; e ISCP – International Studio and Curatorial Program (2007/08), Nova Iorque. Participou na XXIX Bienal de São Paulo (2008), Brasil; 5th Berlin Biennale (2008), Alemanha; 16th Biennale of Sydney (2008), Austrália, Photo España (2008) e Busan Biennial (2006), Coreia do Sul.

     

    Obras do artista na colecção
  • (1974) Lisboa, Portugal.

    Pedro Valdez Cardoso (Lisboa, 1974).

    Vive e trabalha em Lisboa. Das exposições individuais recentes, destacam-se: Ártico, Carpe Diem Arte e Pesquisa, Lisboa, PT (2015); outra coisa, Galeria Caroline Pagès, Lisboa, PT (2014); Reino, Convento de Cristo, Tomar, PT (2014); The Devil’s Breath – Parte III, MACE – Museu de Arte contemporânea de Elvas, PT (2014); Discurso do Método, IVAM – Instituto Valenciano de Arte Moderno, Valência, ES (2013).

    Entre as exposições coletivas recentes em que participou, incluem-se: Devour!, Freies Museum (in collaboration with Savvy Contemporary), Berlim, DE (2015); Colónia Apócrifa, Museu de Arte Contemporânea de Castilla Y Leon, ES (2014); Para Além da Historia, Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Guimarães, PT (2012); O Fim do Mundo, Centre Culturel de Rencontre Abbaye de Neumünster, LUX (2012); MUITO OBRIGADO – Artistas portugueses en la colección de la Fundación Coca-Cola, DA2 Domus Artium, Salamanca, ES (2010). Encontra-se representado em diversas coleções nacionais e internacionais, e é detentor de vários prémios de Arte.

    Obras do artista na colecção
  • (1978) Loulé, Portugal.

    Ricardo Valentim nasceu em 1978, em Loulé. Atualmente vive e trabalha em Nova Iorque. Sendo reconhecido principalmente pelas suas leituras e projeções fílmicas, o seu trabalho inclui os mais variados media, incluindo rádio, materiais impressos, fotografia e escultura. O seu trabalho foi mostrado em inúmeros espaços internacionais, entre os quais se destacam Galeria Luisa Strina, São Paulo; unitednationsplaza | e-flux, Nova Iorque; Manifesta 7, Trento – Bolzano; Statements/Art Basel 38, Basileia; Frac Île-de-France/Le Plateau, Paris; Andrew Roth Gallery, Nova Iorque; e o MUSAC, Leão. Recentemente, apresentou Crescimento e Cultura no Museu de Arte Contemporânea de Serralves, no Porto; Film Festival no CNEAI – Centre National Édition Art Image, em Chatou, França; e Post no Kunsthal Charlottenborg, em Copenhaga.

    Obras do artista na colecção
  • (1976) Cidade do Cabo, África Do Sul.

    Robin Rhode cresceu em Joanesburgo e licenciou-se na South Africa School of Film, Television and Dramatic Arts, na mesma cidade, em 2000. Baseado em Berlim, o artista multidisciplinar recorre a várias linguagens visuais – como a fotografia, performance, desenho e escultura – para criar belas narrativas utilizando materiais quotidianos como sabão, carvão, giz e tinta. Tendo chegado a adulto numa África do Sul recentemente liberta do Apartheid, Rhode foi exposto a novas formas de expressão artística centradas no individual e não ditadas por uma agenda política ou social. A sua estética híbrida e baseada em expressões de rua é o resultado da crescente influência do hip-hop, cinema e desporto na cultura juvenil, assim como a dependência da comunidade em narrativas que tomam a forma de murais coloridos. As suas intervenções estratégicas transformam paisagens urbanas em mundos imaginários, comprimindo o espaço e o tempo. As suas produções bidimensionais (desenhos) transformam-se no objeto de interações tridimensionais efetuadas por um único protagonista, que é geralmente o próprio artista ou um ator desempenhando o papel do artista. Combinando expressão individual com preocupações socioeconómicas mais amplas, o trabalho de Rhode revela uma mestria da ilusão, uma ampla variedade de referências históricas e contemporâneas e uma capacidade inata para misturar elementos de arte popular e arte erudita.

    Em 2007 teve a sua primeira grande exposição individual num museu no Haus der Kunst, em Munique, Alemanha. Desde então, Rhode fez várias exposições individuais em museus de referência em todo o mundo, incluindo a Hayward Gallery, Londres (2008); o Wexner Center for the Arts, Columbus, Ohio (2009); o Los Angeles County Museum of Art, Los Angeles (2010); a National Gallery of Victoria, Melbourne, Australia (2013); e o Neuberger Museum of Art, Purchase, Nova Iorque (2014). Participou em exposições coletivas relevantes, tais como New Photography, The Museum of Modern Art, Nova Iorque (2005; a 51ª Bienal de Veneza (2005); Staging Action: Performance in Photography Since 1960, The Museum of Modern Art, Nova Iorque (2011); e na Bienal de Sydney de 2012. O seu trabalho está representado em inúmeras coleções públicas, entre as quais se destacam a Castello di Rivoli, Turim; Centre Pompidou, Paris; a Hirshhorn Museum and Sculpture Garden, Washington, D.C.; Miami Art Museum, Florida; Musée d’Art Moderne de la Ville de Paris, França; The Museum of Modern Art, Nova Iorque; Solomon R. Guggenheim Museum, Nova Iorque; e o Walker Art Center, Minneapolis. O artista vive e trabalha em Berlim, na Alemanha.

    Obras do artista na colecção
  • (1971) Lisboa, Portugal.

    Rui Calçada Bastos nasceu em Lisboa em 1971.

    Exposições: Museu de Arte Contemporânea de Elvas, Portugal; Centro de Arte Moderna, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa; Kunstlerhaus Bethanien, Berlim; Centro Galego de Arte Contemporánea, Santiago de Compostela, Espanha; Museo de Arte Contemporânea de Vigo, Espanha; Beijing Art World Museum, Pequim; Singapore History Museum, Singapura; Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro; Centro de Artes Hélio Oiticica, Rio de Janeiro; Caixa Cultural do Rio de Janeiro; Circulo de Bellas Artes, Madrid; Fundacion Rafael Botin, Santander, Espanha; Museu Patio Herreriano, Valladolid, Espanha; Nasjonalmuseet for kunst, arkitektur og design, Oslo; Bergen Kunsthalle, Noruega; Yerba Buena Center for the Arts, San Francisco, U.S.A; Gagosian, USA; Tate Modern, Londres; entre outros.

    Coleções: Fundação Calouste Gulbenkian, Portugal; Fundação PLMJ, Portugal; Neuer Berliner Kunstverein, Alemanha; Centro Galego de Arte Contemporánea, Espanha; Museo de Arte Contemporaneo de Santander e Cantabria, Espanha; Coleção António Cachola, Portugal; Instituto Valenciano de Arte Moderna, Espanha; Susanne &Werner Peyer, Suiça; Plancius Collection, Holanda; Instituto Figueiredo Ferra, Brasil; Arquipélago – Centro de Arte Contemporânea, Açores Portugal; Coleção EDP, Portugal; entre outros.

    Residências: Cité International des Arts, Paris (2002); Villa Aurora, Los Angeles (2012); Paulo Reis, Atelier Fidalga, São Paulo (2015).

    Bolsas: João Hoganpara, Kunstlerhaus Bethanien, Berlim (2003); Neuer Berliner Kunstverein, Berllim (2004); Marcelino Botin. Espanha (2006).

    Premios: Nomeação Prémio União Latina, Lisboa (2005); Primeiro prémio, Festival Internacional de Video de Macao, Sul da China (2012).

    2005 Cofundador do espaço ‘Invaliden1’, Berlim.

    Obras do artista na colecção
  • (1966) Lisboa, Portugal.

    Nasceu em 1966 em Lisboa, onde atualmente vive. Fez o Curso de Escultura na Faculdade de Belas-Artes de Lisboa, entre 1984 e 1989. De 1990 a 1992 estudou na Kunstakademie Düsseldorf com Gerhard Merz. Durante esta estadia, traduziu de alemão para português os Fragmentos de Novalis, tendo o livro sido editado pela Assírio & Alvim em 1992. Desde meados dos anos 80, o seu trabalho tem sido exposto em Portugal e no estrangeiro. Em 1995 representou Portugal, juntamente com José Pedro Croft e Pedro Cabrita Reis, na 46ª Bienal de Veneza e em 2004 na 26ª Bienal de S. Paulo, com um projeto conjunto com Vera Mantero. Em 2013 foi um dos artistas internacionais convidados para expôr no Pavilhão da República de Cuba na 55ª Bienal de Veneza. Em Portugal, realizou exposições individuais em importantes instituições, tais como o Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, Museu de Serralves (com Pedro Costa), Centro Cultural de Belém, Sintra Museu de Arte Moderna, Palácio Nacional da Pena e Museu Coleção Berardo (com Orla Barry). No estrangeiro, teve exposições individuais em instituições como o S.M.A.K. (Ghent, Bélgica), Folkwang Museum (Essen, Alemanha), Esbjerg Kunstmuseum (Dinamarca), Nikolaj Copenhagen Contemporary Art Center (Copenhagen, Dinamarca), Fondazione Volume! (Rome, Itália), Fundação Eva Klabin (Rio de Janeiro, Brasil), Fundación Luis Seoane (A Coruña, Espanha), Hara Museum, com Pedro Costa (Tokyo, Japão) e Museu de Arte Moderna (Rio de Janeiro, Brasil). O seu trabalho está representado em diversas Coleções internacionais e portuguesas e tem diversas obras permanentes em espaços públicos, tanto em Portugal como no estrangeiro. Em 2004 recebeu o Prémio de Escultura Robert-Jacobsen, atribuído pela Stiftung Würth, na Alemanha.

    Obras do artista na colecção
  • (1973) Terceira, Portugal.

    Licenciado em Artes Plásticas – Pintura pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, 2002.

    Expõe regularmente desde 1993, individual e coletivamente em Portugal e, pontualmente, em eventos internacionais.

    Em 2014 foi artista selecionado para a exposição ARTE HOJE, organizada Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa.

    Convidado da Sociedade Nacional de Belas Artes para exposição coletiva no Biénio 2015/2016, por decisão do júri da Exposição ARTE HOJE – SNBA, 2014.

    Recriação da Estação X da Via Sacra da Sé Catedral de Angra do Heroísmo – Exposição permanente. Projeto realizado por 14 artistas contemporâneos açorianos a convite da Comissão Diocesana para a Cultura – Açores, 2014.

    Representado nas coleções de arte contemporânea da Região Autónoma dos Açores, Biblioteca de Ponta Delgada, Museu de Angra do Heroísmo, na sala V.I.P. do Aeroporto Internacional das Lajes, e em coleções particulares em Portugal, Áustria, Noruega e Estados Unidos.

    Obras do artista na colecção
  • (1971) Porto, Portugal.

    Nasceu em 1971 no Porto, mas vive e trabalha em Lisboa. Estudou no Ar.Co e na School of the Art Institute of Chicago. Está representado nas coleções da Fundação Calouste Gulbenkian da Fundação Luso-Americana, da Collection Société Générale – Paris, da Catlin Art Collection – Zurich, no Museu MUDAM – Luxemburgo e na Fundação Ilídio Pinho. “A minha base é sempre o desenho, o desenho como campo de risco e de relação nervosa com o mundo. Os meus desenhos mais recentes são desenhos de experiência física da relação do meu corpo com o deserto do Sahara e com o caos da arquitetura árabe. A minha escultura é abstrata e existe em não lugares que são fisicamente paisagens interiores, psicológicas. O sentimento dominante que liga as esculturas às paisagens circundantes é o desejo. Interesso-me por tudo que não se pode pôr por palavras, não se fala ou se fala baixinho. Não se trata apenas de criar novas formas e novas técnicas, mas também de criar/abrir novos territórios para a arte”. O artista é atualmente representando pela Galerie Jaeger Bucher em Paris.

    Obras do artista na colecção
  • (1979) Déou, Burkina Faso.

    Nascido em 1979 em Déou, Burkina Faso, Saïdou Dicko vive e trabalha em Paris. Um pastor Fula, o artista aprende a desenhar aos 5 anos gravando as sombras das suas ovelhas no solo do Sahel. Em 2005 começa a utilizar a fotografia para captar, de uma forma diferente, as verdades secretas. Ele conta a história da sua vida capturando, em Dakar, Ouagadougou, Déou, Lubumbashi ou Abidjan, as sombras que passam, imagens por vezes reais, por vezes completamente surrealistas. Seis meses depois da sua estreia fotográfica, apresenta a sua primeira exposição no DAK’ART Off (na Bienal de Dakar de 2006), onde recebe um prémio que se viria a revelar o primeiro de muitos. Através da pintura, da fotografia e do vídeo, Dicko transforma a representação das formas dando vida a fenómenos visuais, à materialidade física e psicológica da luz, unindo os dois valores extremos que se encontram no coração do contraste negro e branco. Ele encontra prazer no ato de misturar opostos para nos falar de igualdade, união, amor maternal…

    Obras do artista na colecção
  • (1974) Terceira, Portugal.

    Sandra Rocha é açoriana e vive em Paris. O seu trabalho fotográfico reflete em torno das relações e tensões que se organizam entre o ser humano e os quatro elementos que compõem o universo. As suas imagens são habitadas por mulheres jovens, animais únicos e paisagens estranhas. O universo onírico que nos oferece é a sua reflexão poética e misteriosa sobre a identidade, território e as relações humanas de quem o ocupa. Apresentada em diversas instituições e museus como a Fundação Calouste Gulbenkian e o Museu de Arte Moderna e Contemporânea de Santander, a sua obra está representada em várias coleções privadas e públicas, entre outras, Fundação EDP, BES Art, Arquipélago – Centro de Artes Contemporâneas e Coleção de Arte da Região da Cantábria.

    Obras do artista na colecção
  • (1974) São Miguel, Portugal.

    Sofia de Medeiros nasceu em 1975, em Ponta Delgada onde atualmente vive e trabalha. É licenciada em Escultura pela FBAL, Mestre em História da Arte pela Universidade Lusíada de Lisboa e possui outras formações nos diversos domínios das artes. Expõe colectiva e individualmente desde 1997, e participa em bienais e simpósios. Está representada em coleções privadas e públicas como a Presidência do Governo Regional dos Açores; Direção Regional da Cultura dos Açores; Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Ponta Delgada; ARTCA, Museu Carlos Machado, Museu de Angra do Heroísmo Câmara Municipal de Loures, de Ponta Delgada e de Abrantes entre outras.

    O seu trabalho artístico é um olhar feminino sobre o feminino, levantando questões sobre o papel tradicionalmente atribuído às mulheres portuguesas no espaço doméstico. É um constante diálogo e reflexão entre a tradição e a contemporaneidade, no sentido de uma interação construtiva entre o que se define como valor local e universal. Através do ferro e dos têxteis, convoca para a escultura uma série de elementos da cultura popular açoriana, num discurso ora lúdico, ora provocatório.

    Obras do artista na colecção
  • (1959) São Miguel, Portugal.

    João Urbano Melo Resendes nasceu em 1959 na ilha de São Miguel, Açores.

    Estudou gravura na Slade School of Fine Art, Londres.

    Para além da pintura também se dedica à gravura, à escultura e à ilustração de livros em parceria com a Nova Gráfica e o poeta Emanuel Jorge Botelho.

    Até 2014 realizou 44 exposições individuais.

    Decorou a Capela do Hospital do Divino Espírito Santo em Ponta Delgada.

    Está representado nos Museus de Ponta Delgada, Angra do Heroísmo, Cidade de Lisboa, Presidência da República, Fundação Berardo, Centro de Arte Manuel de Brito e Centro Cultural da Caloura. Desde 1997 é representado pela Galeria 111. Desde 2000 expõe na Galeria Fonseca Macedo. Tem vários livros editados sobre a sua obra.

    Foi-lhe atribuída a Insígnia Autonómica de Reconhecimento pela Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores.

    Obras do artista na colecção
  • (1978) Graciosa, Portugal.

    Nasceu na Ilha Graciosa, Açores, em 1978.

    Frequentou o curso de Matemática (ensino de) da Universidade dos Açores.

    Em 2006 licenciou-se em Artes Plásticas – Pintura na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa.

    Em 2013 concluiu o Mestrado em Ensino de Artes Visuais no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.

    Vive em Lisboa desde 1999.

    Profissionalmente, concilia Arte, Formação e Educação.

    No seu currículo artístico constam diversas exposições individuais e coletivas em Portugal e Espanha e a representação em várias coleções particulares e institucionais, nomeadamente na coleção do ARQUIPÉLAGO – Centro de Artes Contemporâneas.

    Obras do artista na colecção
  • (1986) São Miguel, Portugal.

    A Vieira Pereira nasceu a 25 de Fevereiro de 1989, em S. Miguel, Açores.

    Licenciada em Artes Plásticas e Novos Media, na Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha (2008-2011). Possui também o mestrado de Artes Plásticas, no mesmo estabelecimento de ensino superior (2011-2013). Na sua pesquisa questiona os limites da pintura, colocando a questão se o seu trabalho poderá estar no “campo expandido” da pintura, tal como a crítica de arte Rosalind Krauss propôs para a escultura.

    Em 2014 foi a vencedora da 1ª edição do concurso Regional de pintura António Dacosta e da 4ª edição do concurso Labjovem na categoria de Artes Plásticas.

    Obras do artista na colecção
  • A

  • Amalia Pica

  • Ana Vieira

  • André Laranjinha

  • B

  • Barrão

  • Bruno Pacheco

  • C

  • Carolina Rocha

  • Catarina Botelho

  • Catarina Branco

  • Christian Holstad

  • D

  • Daniel Oliveira

  • E

  • Eduardo Sarabia

  • F

  • Filipa César

  • G

  • Gabriela Albergaria

  • Gil Heitor Cortesão

  • Graça Costa Cabral

  • Gustavo Rezende

  • I

  • Inês Botelho

  • J

  • João Onofre

  • João Pedro Vale

  • João Queiroz

  • Joe Lima

  • José Loureiro

  • José Maçãs De Carvalho

  • José Nuno Da Câmara Pereira

  • L

  • Lawrence Lemaoana

  • Luísa Jacinto

  • M

  • Maria Ana Simões

  • Maria José Cavaco

  • Miguel Pacheco

  • N

  • Nicholas Hlobo

  • Nicolas Robbio

  • Noémia Cruz

  • Nuno Sousa Vieira

  • P

  • Paulo Damião

  • Pedro Barateiro

  • Pedro Valdez Cardoso

  • R

  • Ricardo Valentim

  • Robin Rhode

  • Rui Calçada Bastos

  • Rui Chafes

  • Rui Melo

  • Rui Moreira

  • S

  • Saïdou Dicko

  • Sandra Rocha

  • Sofia de Medeiros

  • U

  • Urbano

  • V

  • Vera Bettencourt

  • Vieira Pereira