Né Barros

Artistic Residency

1st - 6th Sep 2019

For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Residência Artística

IO – Paisagens, Máquinas e Animais de Né Barros

1 – 6 set 2019

Sinopse

O projeto da peça IO reúne as seguintes ideias motoras: o contraste da paisagem e dos elementos, onde se produzem ambientes extremos como vulcões ou glaciares; a dimensão ficcional e mítica de personagens como identidades, também elas, contrastantes.

Paisagens, Máquinas e Animais é também o subtítulo de uma série de projetos a desenvolver nos próximos dois anos e que se iniciam agora com IO.

IO, uma das quatro grandes luas de Júpiter que, apesar de estar localizada numa região gélida, caracteriza-se por ser o local com maior atividade vulcânica do Sistema Solar. É este ambiente de extremos que inspirou o disco e a peça coreográfica. Partindo da manipulação e desconstrução do timbre rico e hipnótico do saxofone barítono, esta longa duração é uma obra de um só fôlego, paciente, de inúmeras camadas, assumidamente influenciado pelo universo da ficção científica e fortemente marcado pelos tons introspetivos sempre presentes no percurso de BlacKoyote (editora do disco). IO tem também conotações da mitologia greco-romana. Zeus transformara Io numa novilha para esconder de sua mulher a paixão que teria pela princesa. Este mito pode ser interpretado como uma alegoria lunar, na qual a fuga da novilha representaria o movimento da Lua e os olhos de Argos, o céu estrelado. Uma pequena lenda paralela diz que as lágrimas da novilha Io caíram sobre as asas de um inseto, marcando-as eternamente e dando origem à bela borboleta Inachis io.

 

Antestreia: 6 de setembro | Blackbox ARQUIPÉLAG

 

NOTAS BIOGRÁFICAS 

Né Barros coreógrafa e bailarina, investigadora no Instituto de Filosofia da Universidade do Porto no grupo de Estética, Política e Conhecimento. Tem desenvolvido o seu trabalho artístico em conexão com os seus estudos académicos e pesquisas. Iniciou a sua formação em dança clássica e, posteriormente, trabalhou em dança contemporânea e composição coreográfica nos Estados Unidos (Smith College). Doutorada em Dança (Universidade de Lisboa) e Master in Dance Studies (Laban Centre, Londres). Concluiu um Pós-Doutoramento no Instituto de Filosofia sobre a estética e performances. Estudou Teatro (ESAP). Como coreógrafa, tem colaborado com artistas visuais, fotógrafos, realizadores de cinema, encenadores e músicos. Criou a maior parte dos seus trabalhos no Balleteatro, mas também trabalhou com a Companhia Nacional de Bailado (premiada como Melhor Coreografia), com Ballet Gulbenkian e Aura Dance Company (Lituânia). É autora dos livros Da Materialidade na Dança, Dança: corpo e casa, 2001 e editor de Deslocações da Intimidade, 2015. Artes Performativas: Novos Discursos (2013), Das Imagens Familiares (2013), Story Case print (2009) e Metamorfoses do Sentir (1998). Publicou vários artigos sobre temas como estética, filosofia da dança e performance, composição de dança, artes cénicas. É codiretora das coleções Estética, Política e Arte e Máquinas de Guerra, publicadas pela FLUP. É professora na ESAP e convidada em diversas instituições. Co-fundadora do Balleteatro e diretora artística do Family Film Project – Festival Internacional de Cinema de Arquivo, Memória, Etnografia.

 

José Alberto Gomes é músico, artista sonoro e curador, nascido no Porto em 1983. Completou o curso de piano do Conservatório do Porto e em 2007 finalizou a licenciatura em Composição na Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo. Criou laços muito fortes com as novas possibilidades tecnológicas musicais e o papel da música no teatro, cinema, instalações, tendo especial interesse em procurar novas formas e novos “lugares“ musicais. Doutorado em Computer Music pela Universidade Católica Portuguesa tem estado ligado ao ensino na área da arte e novos media, tendo passado por vários cursos como Composição na ESMAE-IPP, Música Electrónica e Produção Musical na ESART-IPCA ou Mestrado de Media e Artes Digitais na Universidade do Minho, entre outros. Actualmente é coordenador do Serviço Educativo Braga Media Arts (Cidade Criativa da UNESCO no domínio das Media Arts) onde desenvolve e orienta conteúdos, espectáculos e projectos de criação artística ligada às novas tecnologias na arte, comunidade e educação. É docente na Escola das Artes – UCP, no Mestrado em Engenharia em Desenvolvimento em Jogos Digitais – IPCA e no Doutoramento de Media e Arte Digital na Universidade Aberta. Apresenta-se, regularmente, em público em projectos a solo, colectivos ou em parcerias, ex.: BlacKoyote, Digitópia Collective, Srosh Ensemble, Hans-Joachim Roedelius, Gustavo Costa, Ricardo Jacinto, Henrique Portovedo, Jon Rose, etc., nas áreas de música e sonoplastia para peças de teatro e video, ex. From Peter Handke’s Essay about the Successful Day – Teatro da Comuna; Longe – FITEIRivoli; Cidade Domingo – Teatro Oficina/Guimarães 2012 Capital Europeia da Cultura; Prometeu – Teatro de Formas Animadas; Ínsua – Ruptura Silenciosa; como criador e developer de instalações sonoras, ex. A Perpetuação do tempo sob o presente – 23.03/Journées Européennes du Patrimoine; Re-Interpretação Urbana – Fundação de Serralves; Substantive Derivative – Emiliano Zelada/Ingresso Pericoloso; e como compositor para electrónica e ensemble instrumental, ex. At the still point of the turbina world, Joana Gama e Luís Fernandes, Drumming GP, Nuno Aroso, João Dias, Henrique Portovedo, FactorE, Srosh Ensemble/Fundação de Serralves, Orquestra Estúdio/Guimarães 2012 Capital Europeia da Cultura.

Back to Calendar of events